Bíblia

Uma investigação em busca dos patriarcas parte 1

William F. Albright, arqueólogo renomado, sugeriu que Abraão esteve envolvido em uma vasta rede comercial no século XIX AC. Existem textos que remontam ao período em questão, encontrados perto de Kayseri, na Turquia, que demonstram uma relação comercial próspera entre a Mesopotâmia e a Síria. A ligação entre o deslocamento de Abraão e o deslocamento de Harâ, descrito no livro Gênesis, seria a ligação entre Ur e Harâ. O arqueólogo sustentou que a essência dos patriarcas e os jumentos que transportavam a caravana perduram por cerca de 1800 anos. O arqueólogo acreditava que esses locais ofereciam uma prova histórica para as semelhanças entre as ações de Abraão em Negev e a destruição da cidade do mar morto. (Israel Finkelstein 428 2018)

Após mais pesquisas em todo o país, os especialistas chegaram à conclusão de que o sistema mencionado na época do Bronze não teve um colapso rápido, mas sim um colapso longo, causado pelas convulsões econômicas em Canaã, e não por uma invasão externa. Dessa forma, a teoria dos Amorreus foi objeto de uma grande discussão, deixando claro que os termos Amorreus não se limitavam a um grupo específico de pastores. Havia uma comunidade no norte da Síria, no início do segundo milênio, que era conhecida como Amorreus. Diante desta nova evidência, é possível concluir que seria extremamente improvável que Abraão tivesse participado de invasões externas.

A aparente semelhança entre o modo de vida dos pastores em uma determinada época da história do país e as descrições que se seguiram demonstram algumas diferenças significativas. Dessa forma, pode-se concluir que a Idade do Bronze intermediaria não foi um período de nômades grandes. Sim, era verdade que não havia grandes cidades e os pastores nômades começaram a prosperar. Contudo, grande parte deles permaneceu concentrada em vilas e aldeias, o que seria uma grande contradição com a teoria de uma grande migração nômade do norte. Essas mesmas pessoas restauraram a vida urbana na cidade de Canaã, que ocorreu justamente no período do bronze. Outro ponto relevante a ser considerado é que alguns dos principais sítios mencionados na Bíblia, como Shechem, Bersabéia e Hebron, não revelaram evidências arqueológicas da idade do bronze intermediaria. Podemos dizer que esses sítios não estavam habitados naquela época.

 

No entanto, a maioria dos indivíduos permaneceu inativo em vilas e aldeias, o que seria uma grande contradição com a teoria de uma grande migração nômade do norte, segundo a Bíblia. Essas mesmas pessoas restabeleceram a vida urbana na cidade de Canaã, que era a época do bronze.

 

Outro erudito americano Cruz Gordon observou que há algumas semelhanças legais que são descritas na bíblia durante o período patriarcal e que se repetem em textos do oriente próximos ao segundo milênio. Ele argumentou que não podem ser encontradas em períodos posteriores da história do oriente. Os conjuntos de tabuletas de Nuzi, que remontam ao século XC Ac, são particularmente fascinantes. Em geral, as tabuletas registram arquivos familiares e descrevem os costumes dos Hurrianos, que habitaram a região da Mesopotâmia na metade do segundo milênio AC. Uma das suas práticas culturais era a de Nuzi, uma mulher estéril que era obrigada a fornecer uma escrava para seu marido gerar filhos. Isso demonstra uma ligação clara entre a história bíblica de Sara e Agar. Os textos de Nuzi demonstram que as práticas sociais e legais têm semelhanças com os registros bíblicos e não podem ser restritas a um único período. A responsabilidade da mulher estéril de providenciar uma serva para o marido para gerar filhos teve origem em um contrato de casamento datado do século VII na Assíria. (Israel Finkelstein 431 2018)

É possível concluir que o progresso da arqueologia moderna revela que Judá, como relatado na fonte J, parece ter sido habitada em uma época de pouca ocupação até o final do século VIII Ac. As escavações arqueológicas realizadas em Jerusalém revelaram de forma clara que a capital de Judá se tornou uma cidade de maior impacto em um determinado período, no século X Ac. Não era mais do que uma pequena vila. Os resultados de décadas de pesquisas e escavações revelaram que Judá não atingiu um nível de alfabetização satisfatório até o final do século VIII. As narrativas patriarcais apresentam uma série de referências monárquicas bastante recente, particularmente do século VII AC.

Uma observação relevante é que os estratos que representam as fases da dominação egípcia em Canaã, durante o reinado de Ramsés III, não apresentam tipos de vasos antigos decorados pelos Filisteus. Além disso, os níveis mais antigos também não revelaram nenhuma evidência de presença egípcia, nem mesmo um único vaso egípcio. Eles estavam, de certa forma, distanciados umas das outras. Em termos cronológicos, isso não poderia ter ocorrido antes do colapso da dominação egípcia em Canaã, no século XII AC.

Outro fato interessante é que Abraão acreditava em Deus de verdade. Somos limitados em relação ao conteúdo intelectual desta crença. Podemos descartar a ideia rabínica de que ele tinha consciência do essencial de tudo o que deveria ser revelado mais tarde, e que manteve a lei mosaica, apesar de anos terem se passado desde que ela foi dada. Não é provável que as histórias bíblicas que contam como Abraão chegou à fé sejam mais esclarecedoras sobre como os judeus lutaram contra a idolatria no tempo de Cristo do que as histórias sobre Abraão. Abraão apareceu pela primeira vez em dois relatos, que parecem ter elementos de contradição. No início da manhã, Terá deixou Ur para seguir para Canaã, mas acabou parando em Harã, onde faleceu. Deus chamou abraão em um lugar específico na última história. Provavelmente, ele não foi forçado a deixar a residência de seu genitor. Em Gênesis 15:7, Deus pronunciou. Sou o senhor que lhe trouxe de Ur dos Caldeus. O primeiro exemplo de dualismo na narração bíblica.Continuaremos em outro artigo com mais explicações.(Cf. W. F. Albright.The Biblical Period from Abraham to Ezra. pp. Sff.)

Bibliografia

  1. A Bíblia desenterrada: A nova visão arqueológica do antigo Israel e das origens dos seus textos sagrados 
  2. The Hidden Book in the Bible
  3. A Study of the Biblical Story of Joseph (Genesis 37-50) (Supplements to Vetus Testamentum, Vol. XX)
  4. Chapter03.pdf (biblicalstudies.org.uk)

Pesquisador formado em teologia com especialização em escritos antigos da Suméria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *