Bíblia

A bíblia fala de Deus ou deuses?

Introdução

Desde que comecei a ler a Bíblia há algum tempo, tive muitas dúvidas em relação aos termos hebraicos. Por que não foram traduzidos as traduções do Gênesis de forma correta? Antes de mais nada, é preciso voltar ao passado, à origem da palava Elohim e ao seu significado. O Livro acadêmico de Christian O’Brien nos fornece uma orientação valiosa para compreendermos os termos corretos. No início da Bíblia, o termo hebraico (אלוהים) é substituído pelo termo “Deus” para o português e o inglês (GOD). A questão é sobre a variedade de Elohim. Elohim significa (deuses) e o termo “os deuses” deve ser traduzido como “os deuses”. O termo EL sumério significa brilho ou brilhante. O plural ELOHIM, é uma contração de HA ELOHIM. (Christian O’Brien 26, 1985) 

O primeiro grupo tinha 50 integrantes, segundo o registro mais antigo. Alguns eram biólogos, astrônomos, cientistas e professores. O primeiro registro arqueológico sobre um Gênesis foi sobre um grupo de pessoas brilhantes, e não uma pessoa só. A Bíblia não menciona um único Deus, mas sim um grupo de DEUSES ELOHIM que foram responsáveis pelas narrativas bíblicas do Antigo Testamento. O trabalho foi realizado ao longo dos séculos por aqueles que desejaram usar esses conjuntos para ocultar o verdadeiro significado dos registros antigos. A ideia era obscurecer ou cancelar tudo aquilo que confrontasse a ideia monoteísta que tinha de ser imposta. Rafael Zer, um professor da universidade de jerusalém, afirma que as passagens bíblicas mencionavam claramente a multiplicidade dos ELOHIM, mas isso não era aceito pelo monoteísmo imposto pelos sacerdotes de jerusalém. (Mauro Biglino, 14 2014).  

Vejamos o exemplo de Deuteronômio 32:43 traduzido pelos massoretas.

  ⁴³ Jubilai-o, ó nações, o seu povo, pois ele vingará o sangue dos seus servos e, sobre os seus adversários, retribuirá a vingança, e terá misericórdia da sua terra e do seu povo.  

No entanto, na Bíblia do manuscrito do mar Morto anterior à intervenção teológica dos massoretas, encontramos o seguinte texto:  

⁴³ Alegrai-vos com Ele, o céu: prestem-se a ele, todos os deuses, pois Ele vingará o sangue dos Seus filhos e vingar-se a dos Seus Adversários. (O termo foi substituído por Servos e as referências aparentes da diversidade dos ELOHIM foram suprimidas.)  

Outro termo interessante é o termo Ish Milchamah (homen de guerra EX.15,3). O vaticano convidou os bispos a evitarem nomear YAHWEH, substituindo este nome pelos termos SENHOR OU ETERNO. Existem diversos erros linguísticos, os escribas, muitas vezes, não entendiam e compreendiam mal o sentido do texto, dividindo de forma inadequada. (Mauro Biglino, 14 2014).

Conclusão

A Bíblia conta a história dos ELOHIM, incluindo os eventos e a união de um deles com o povo judeu. Cada ELOHIM era responsável pelas suas atividades. A Bíblia não é o livro mais antigo do mundo. Os relatos sumérios do Gênesis são muito mais antigos que a Bíblia. Toda a sua literatura politeísta foi adaptada e ocultada para criar novas histórias cheias de enganos e armadilhas.

Bibliografia

  1. A Bíblia não é um livro sagrado: O grande engano
  2. The genius of the few.
  3. Link da imagem usada 

 

Pesquisador formado em teologia com especialização em escritos antigos da Suméria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *